16 de janeiro de 2013

Febre..

|| ||
Pois é, essa noite passei um perrengue danado com a Ana..
ela acordou mega assustada as 3:20 da madrugada, chorando e gritando, quando coloquei a mão nela, ela estava SUPER QUENTE, estourando de febre!! Fiquei apavorada, pois ela NUNCA teve febre desde quando nasceu, e como sou mamãe de primeira viagem, não sabia o que fazer né rs Enfim, passei a madrugada toda sem dormir, dei uma cochilada rápida das 8:30 até as 10:00 hrs da manhã, pois tinha que fazer almoço pro maridão né, haha!
Enfim, pesquisei algumas coisas sobre febre pras mamães apavoradas como eu rs e claro, vou compartilhar com vocês..



Quais são os sinais clássicos da febre?
A criança febril fica com o rosto vermelho, o coração acelerado, respira mais rápido que o normal, sente frio e fica abatida. As mãos e os pés ficam frios e algumas podem ter dores de cabeça e musculares.


Qual é o melhor termômetro para medir a temperatura? Os de mercúrio são os mais fiéis, mas há risco de quebrar e vazar o material tóxico. Além disso, é preciso esperar, no mínimo, três minutos para verificar a temperatura. Nesse caso, os digitais são mais recomendados, mas nem sempre eles são precisos. Há também os de ouvido, que, em geral, são precisos, mas os pais devem saber usa-los corretamente.


Quando é necessário medicar? Se a temperatura estiver acima de 37,8 ºC e sempre com a orientação médica. O importante é o estado físico do seu filho. “Há crianças que com 37,6oC já ficam abatidas e com mal-estar. Nesses casos, não há por que esperar subir mais para medica-la”, diz Cid.


Em até quanto tempo a temperatura deve baixar após a medicação?
Normalmente, é preciso esperar de 30 a 40 minutos para a temperatura diminuir. E o principal objetivo não é fazer a temperatura voltar a 36,5 ºC (normal), e sim aliviar o mal-estar da criança.


E se a temperatura subir antes do horário de oferecer o antitérmico novamente? Em primeiro lugar, fale com o pediatra para que seu filho seja avaliado. Em algumas situações é possível alternar antitérmicos com diferentes composições a cada três horas. As compressas e banhos mornos (nunca frios!) também são coadjuvantes para baixar a temperatura. Nunca dê banho com água e álcool, nem faça compressas com álcool, pois há risco de a criança inalar essa substância e ter uma reação alérgica.


Quando há risco de uma convulsão? A crise convulsiva da febre surge quando a temperatura sobe rapidamente e acontece quando a criança tem em torno de 6 meses a 6 anos. Entre as características estão o tremor e rigidez de braços e pernas.

Em geral, a crise dura de 1 a 2 minutos (uma eternidade para os pais) e normalmente não traz seqüelas. Nessa hora, além da calma, é preciso deixa a criança confortável, deitada e com a cabeça um pouco elevada, para facilitar a respiração. Se durar mais que esse período, ela deve ser levada ao pronto-socorro.

Acalme-se. Esse tipo de problema acontece em um número pequeno de pessoas e apenas uma única vez na vida. Além disso, é preciso haver uma predisposição genética. Se você souber dessa predisposição, medique a criança ao perceber que ela está num processo febril.


O que fazer se meu filho não quiser comer enquanto está com febre? Não insista. A atenção deve ser grande na hidratação. A criança pode desidratar não somente por causa da febre, mas porque continua perdendo líquidos, como o xixi. Nesse caso, ofereça sucos, água ou leite, em pequenas quantidades e várias vezes no dia.


Devo medicar meu filho antes de levá-lo ao pediatra? Sim. O antitérmico não vai mascarar a doença da criança e vai facilitar a avaliação do especialista.


Há como prevenir a febre?
Não. Mas há como evitar algumas doenças que podem elevar a temperatura corporal. Por isso, é fundamental manter o calendário de vacinação em dia. 
Qual o melhor jeito de medicar a criança?A melhor solução é pedir ao pediatra para fazer a prescrição em mililitros e usar uma seringa ou um copo dosador para medir com exatidão a dose do remédio. Você também pode comprar os medidores em uma farmácia. Evite usar colheres para aplicação, pois não é uma maneira confiável. No caso de medicamentos em gotas, nunca pingue diretamente na boca da criança porque sempre vai cair uma gota a mais e, de gota em gota, o organismo pode se intoxicar.


Quais são os sinais clássicos da febre?
A criança febril fica com o rosto vermelho, o coração acelerado, respira mais rápido que o normal, sente frio e fica abatida. As mãos e os pés ficam frios e algumas podem ter dores de cabeça e musculares.


Qual é o melhor termômetro para medir a temperatura? Os de mercúrio são os mais fiéis, mas há risco de quebrar e vazar o material tóxico. Além disso, é preciso esperar, no mínimo, três minutos para verificar a temperatura. Nesse caso, os digitais são mais recomendados, mas nem sempre eles são precisos. Há também os de ouvido, que, em geral, são precisos, mas os pais devem saber usa-los corretamente.


Quando é necessário medicar? Se a temperatura estiver acima de 37,8 ºC e sempre com a orientação médica. O importante é o estado físico do seu filho. “Há crianças que com 37,6oC já ficam abatidas e com mal-estar. Nesses casos, não há por que esperar subir mais para medica-la”, diz Cid.


Em até quanto tempo a temperatura deve baixar após a medicação?
Normalmente, é preciso esperar de 30 a 40 minutos para a temperatura diminuir. E o principal objetivo não é fazer a temperatura voltar a 36,5 ºC (normal), e sim aliviar o mal-estar da criança.


E se a temperatura subir antes do horário de oferecer o antitérmico novamente? Em primeiro lugar, fale com o pediatra para que seu filho seja avaliado. Em algumas situações é possível alternar antitérmicos com diferentes composições a cada três horas. As compressas e banhos mornos (nunca frios!) também são coadjuvantes para baixar a temperatura. Nunca dê banho com água e álcool, nem faça compressas com álcool, pois há risco de a criança inalar essa substância e ter uma reação alérgica.


Quando há risco de uma convulsão? A crise convulsiva da febre surge quando a temperatura sobe rapidamente e acontece quando a criança tem em torno de 6 meses a 6 anos. Entre as características estão o tremor e rigidez de braços e pernas.

Em geral, a crise dura de 1 a 2 minutos (uma eternidade para os pais) e normalmente não traz seqüelas. Nessa hora, além da calma, é preciso deixa a criança confortável, deitada e com a cabeça um pouco elevada, para facilitar a respiração. Se durar mais que esse período, ela deve ser levada ao pronto-socorro.

Acalme-se. Esse tipo de problema acontece em um número pequeno de pessoas e apenas uma única vez na vida. Além disso, é preciso haver uma predisposição genética. Se você souber dessa predisposição, medique a criança ao perceber que ela está num processo febril.


O que fazer se meu filho não quiser comer enquanto está com febre? Não insista. A atenção deve ser grande na hidratação. A criança pode desidratar não somente por causa da febre, mas porque continua perdendo líquidos, como o xixi. Nesse caso, ofereça sucos, água ou leite, em pequenas quantidades e várias vezes no dia.


Devo medicar meu filho antes de levá-lo ao pediatra? Sim. O antitérmico não vai mascarar a doença da criança e vai facilitar a avaliação do especialista.


Há como prevenir a febre?
Não. Mas há como evitar algumas doenças que podem elevar a temperatura corporal. Por isso, é fundamental manter o calendário de vacinação em dia. 
Qual o melhor jeito de medicar a criança?A melhor solução é pedir ao pediatra para fazer a prescrição em mililitros e usar uma seringa ou um copo dosador para medir com exatidão a dose do remédio. Você também pode comprar os medidores em uma farmácia. Evite usar colheres para aplicação, pois não é uma maneira confiável. No caso de medicamentos em gotas, nunca pingue diretamente na boca da criança porque sempre vai cair uma gota a mais e, de gota em gota, o organismo pode se intoxicar.
Quais são os sinais clássicos da febre?
A criança febril fica com o rosto vermelho, o coração acelerado, respira mais rápido que o normal, sente frio e fica abatida. As mãos e os pés ficam frios e algumas podem ter dores de cabeça e musculares.


Qual é o melhor termômetro para medir a temperatura? Os de mercúrio são os mais fiéis, mas há risco de quebrar e vazar o material tóxico. Além disso, é preciso esperar, no mínimo, três minutos para verificar a temperatura. Nesse caso, os digitais são mais recomendados, mas nem sempre eles são precisos. Há também os de ouvido, que, em geral, são precisos, mas os pais devem saber usa-los corretamente.


Quando é necessário medicar? Se a temperatura estiver acima de 37,8 ºC e sempre com a orientação médica. O importante é o estado físico do seu filho. “Há crianças que com 37,6oC já ficam abatidas e com mal-estar. Nesses casos, não há por que esperar subir mais para medica-la”, diz Cid.


Em até quanto tempo a temperatura deve baixar após a medicação?
Normalmente, é preciso esperar de 30 a 40 minutos para a temperatura diminuir. E o principal objetivo não é fazer a temperatura voltar a 36,5 ºC (normal), e sim aliviar o mal-estar da criança.


E se a temperatura subir antes do horário de oferecer o antitérmico novamente? Em primeiro lugar, fale com o pediatra para que seu filho seja avaliado. Em algumas situações é possível alternar antitérmicos com diferentes composições a cada três horas. As compressas e banhos mornos (nunca frios!) também são coadjuvantes para baixar a temperatura. Nunca dê banho com água e álcool, nem faça compressas com álcool, pois há risco de a criança inalar essa substância e ter uma reação alérgica.


Quando há risco de uma convulsão? A crise convulsiva da febre surge quando a temperatura sobe rapidamente e acontece quando a criança tem em torno de 6 meses a 6 anos. Entre as características estão o tremor e rigidez de braços e pernas.

Em geral, a crise dura de 1 a 2 minutos (uma eternidade para os pais) e normalmente não traz seqüelas. Nessa hora, além da calma, é preciso deixa a criança confortável, deitada e com a cabeça um pouco elevada, para facilitar a respiração. Se durar mais que esse período, ela deve ser levada ao pronto-socorro.

Acalme-se. Esse tipo de problema acontece em um número pequeno de pessoas e apenas uma única vez na vida. Além disso, é preciso haver uma predisposição genética. Se você souber dessa predisposição, medique a criança ao perceber que ela está num processo febril.


O que fazer se meu filho não quiser comer enquanto está com febre? Não insista. A atenção deve ser grande na hidratação. A criança pode desidratar não somente por causa da febre, mas porque continua perdendo líquidos, como o xixi. Nesse caso, ofereça sucos, água ou leite, em pequenas quantidades e várias vezes no dia.


Devo medicar meu filho antes de levá-lo ao pediatra? Sim. O antitérmico não vai mascarar a doença da criança e vai facilitar a avaliação do especialista.


Há como prevenir a febre?
Não. Mas há como evitar algumas doenças que podem elevar a temperatura corporal. Por isso, é fundamental manter o calendário de vacinação em dia. 
Qual o melhor jeito de medicar a criança?A melhor solução é pedir ao pediatra para fazer a prescrição em mililitros e usar uma seringa ou um copo dosador para medir com exatidão a dose do remédio. Você também pode comprar os medidores em uma farmácia. Evite usar colheres para aplicação, pois não é uma maneira confiável. No caso de medicamentos em gotas, nunca pingue diretamente na boca da criança porque sempre vai cair uma gota a mais e, de gota em gota, o organismo pode se intoxicar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário